Categoria Notícias

porThaís Andrade

Prestação de Contas – Decania do CCJE

A Decania do CCJE, dando prosseguimento ao compromisso da atual gestão de promover suas ações pautadas pela transparência, convida toda a comunidade universitária para participar da segunda Audiência Pública para Prestação de Contas, referente ao primeiro ano do mandato 2018-2022.

A audiência ocorrerá no dia 18 de novembro, segunda-feira, às 15 horas, no Auditório E-3 da Faculdade de Letras (Cidade Universitária).

porLeticia Abreu

Como foi nosso 5º Parangolé da Cultura na Universidade

Mais uma edição do Parangolé da Cultura na Universidade aconteceu no último dia 29.

Quinto Parangolé da Cultura realizado pelo CCJE no Salão Moniz de Aragão no dia 29 de Outubro. Foto de Eneraldo Carneiro.

Dessa vez, o foco foi nos encontros e diferenças entre extensão e atividades culturais e nossos convidados foram Ivana Bentes, Pró-reitora de Extensão da UFRJ; Maria Dias, produtora cultural da UFRJ; Sandra Becker, coordenadora de extensão do CCJE; Professor Felipe Addor, Diretor do NIDES – CT; Pedro Bicalho, coordenador de extensão do CFCH; Maria Clara Martins, coordenadora de extensão do CLA; Silvia Lorenz Martins, coordenadora de extensão do CCMN e Aline Posch representando o CCS. Ao final da conversa houve apresentação do Grupo Moitará.

A universidade, de modo geral, ainda considera de forma diferente as bases da produção de conhecimento na universidade ou o tripé acadêmico, composto pela extensão – ensino – pesquisa. A extensão é um “pé” ainda novo dentro da UFRJ, ela contribui para que estudantes observem o impacto social de algumas ações universitárias e promove conexão interdisciplinar, além de ser um espaço de troca. Um bom exemplo dessa troca é a SIAC. Dessa forma, a extensão é, também, uma via de mão dupla que se adapta, cria e transforma espaços, tanto levando conhecimento da universidade para a cidade, quanto trazendo de volta através de seus envolvidos.

29/10/2019. Encenação de Érica Rettl, do Grupo Moitará. Foto de Eneraldo Carneiro. Foto de Eneraldo Carneiro.

A extensão se apresenta de maneiras diferentes dentro da nossa universidade, instituindo uma outra cultura de relação, esse hábito de fazer extensão precisa ser melhor difundido. Dentre os tópicos levantados durante o debate, os mais significativos se reúnem apontando a falta de articulação entre a política cultural e a extensão na UFRJ. Com 192 ações de cultura – dentre elas cineclubes, exposições, performances, contações de histórias, peças de teatro, espetáculos de dança, concertos e seminários -, a Pró-Reitoria de extensão tem um vínculo forte com as atividades culturais praticadas na UFRJ. No entanto, a dificuldade de divulgação, engajamento, articulação e compartilhamento entre centros diminui o diálogo e a integração com a cidade.

As atividades culturais, não só atividades artísticas ou recreativas, vão um pouco mais além do que essa circunscrição, que tem reconhecimento comum. Assim, para as atividades culturais, importa a mudança de significado e a alteração da frequência dos repertórios. É, dessa forma, ação de atuar, como contraparte da extensão, bem como da graduação e da pós-graduação. Os seus métodos de abordagens, os estabelecimentos de planos e de ações e a definição do público-alvo, contudo, são sempre mais próximos dos mesmos indicadores da extensão. Isso talvez se deva ao fato de que um dos elementos da extensão é também a comunicação do conhecimento. E, portanto, de alteração de significado.

A criação de mecanismos que otimizem o acontecimento das ações da extensão e das atividades culturais, tais como uma plataforma de divulgação de eventos intra e extra-muros universitários – uso mais engajado da Rádio, considerando o grande potencial do canal de divulgação da UFRJ – e o mapeamento e levantamento das atividades e equipamentos culturais na universidade, foi a principal sugestão de desenvolvimento de integração e engajamento da cultura com a extensão na UFRJ.

29/10/2019. Venício Fonseca, do Grupo Moitará, apresentando os tipos de máscaras teatrais. Foto de Eneraldo Carneiro.

Como os assuntos dessa importância não se esgotam com uma única roda de conversa. Se afirmou a necessidade de manutenção das conexões e diálogos a esse respeito.

Ao final, o Grupo Moitará apresentou uma cena-poema, compartilhando um pouco sobre a linguagem da Máscara no teatro, técnica ainda recente no Brasil. Resultado de um processo de pesquisa, confecção e desenvolvimento de pensamentos e técnicas, a máscara faz com que o ator encontre a palavra no corpo, em partes que nunca falaram, para atuar. Isso ficou evidente na explanação do Venício Fonseca e na encenação da Érica Rettl.

porLeticia Abreu

Coral do CCJE – INSCRIÇÕES ENCERRADAS

É com muito prazer que anunciamos o lançamento do Coral do CCJE! Elaborado com o objetivo de construção de espaços de trocas culturais no âmbito da música se manifestando como atividade extra-curricular na UFRJ, o coral contará com a participação do corpo social da Universidade, constituído por discentes, docentes e técnicos, gerando um novo ambiente de ressignificação da rotina e proporcionando trocas interpessoais entre esses três grupos. Além disso, o coro focará na inclusão daqueles que venham a se interessar mesmo sem possuírem domínio de técnica vocal ou conhecimento teórico musical. O repertório repleto de MPB pretende enfatizar a importância da experiência cultural brasileira, assim como estimular a consciência e crítica a essa realidade.

Os ensaios serão ministrados por Guilherme Imia, estudante de Licenciatura em Música na UNIRIO. Aos 15 anos iniciou a sua caminhada no meio coral integrando o Coral BomTempo com regência de Paulo Malaguti Pauleira, uma das maiores referências da música vocal brasileira. Desde então, deslanchou a integrar grupos vocais no Rio de Janeiro. Hoje, com 22 anos, faz parte dos grupos Zanzibar, Consoantes e Subversos, onde também desenvolve uma profunda pesquisa de percussão corporal. É fundador da banda Peruá, onde atua como multi-instrumentista e educador. Trabalha como professor de música no Centro de Educação Infantil Tabladinho e também como assistente de direção e violonista do Coral Diversus em parceria com Cris Delanno. Ainda na área do canto coral, foi monitor do Coro Cênico Cesgranrio por 2 anos.

Os ensaios acontecerão às segundas-feiras de 19:30 às 22h no campus da Praia Vermelha (em sala a ser confirmada) a partir do dia 14 de Outubro. O limite de inscritos é de 40 pessoas.

Se interessou e quer participar? Preencha o formulário para se inscrever!

Ficou com alguma dúvida? Envia um e-mail para a gente no atividadecultural@ccje.ufrj.br

porThaís Andrade

Como foi o nosso 4º Parangolé…

No dia 10 deste mês, aconteceu o Quarto Parangolé da Cultura na Universidade com o tema Currículos dos Cursos Universitários e as Ações Culturais. Nessa edição contamos com a presença de Ricardo Takahashi, professor do ICEX e ex-Pró Reitor de Graduação da UFMG; Deneir Martins, brincante e pesquisador popular no Rio de Janeiro; Hélios Malebranche, professor da FACC e coordenador de Graduação do CCJE; Richarde Júnior, estudante de Direito e membro do Coletivo Negro Cláudia Silva Ferreira; Bárbara Melo, estudante de Gestão Pública para o Desenvolvimento Econômico e Social e integrante do Coletivo de Mulheres Marielle Franco e Gustavo Peroba, estudante de Administração e membro da pasta LGBT do Centro Acadêmico de Administração.

Seguindo a proposta do evento, a roda de conversa deu início à discussão da importância de atividades culturais nos currículos universitários e pontuando a necessidade de algum modo institucionalização dessas ações como variável diversificadora das atividades acadêmicas. Ao longo da roda de conversa, também foi debatido o fato de que as atividades culturais e a produção científica promovem saberes diferentes que podem ser integralizados como alargadores das aptidões dos que os vivenciam. Dessa forma, urge o estabelecimento de lugares em que o debate possa aprofundar a lógica academicista dos currículos.

No decorrer disso, após as contribuições de experiências dos convidados e a abertura do debate, todos os presentes reconheceram a necessidade de alteração dessa realidade por meio da flexibilização dos currículos e mobilização visando a democratização do debate cultural, resultando, assim, na construção de uma universidade mais diversa.

Fiquem ligados que vem mais Parangolé aí!

porThaís Andrade

Das Ibéricas – Crônicas Peninsulares: OUP na UFRJ

Apresentação do OUP na Faculdade de Letras no dia 03/09/2019

Aconteceram, nos dias 3 e 4 do mês corrente, apresentações do Coral da Universidade de Porto, designado Orfeão da Universidade do Porto – OUP. Essas apresentações fizeram parte da primeira ação do projeto Das Ibéricas – Crônicas Peninsulares, que visa estabelecer cantos de ida e volta com as universidades de Portugal e da Espanha.

A ação Das Ibéricas – Crônicas Peninsulares está dentro do plano de ação da coordenação de atividades culturais do CCJE no Plano de Articulação entre as Práticas Culturais do CCJE, as realizadas em outros Centros e as ações indicadas pelos órgãos diretivos da UFRJ e tem como objetivo geral ajustar o diálogo, as trocas e a interação das atividades realizadas nas unidades do CCJE ao que é realizado em outros centros e ao que é indicado pelos órgãos centrais da Universidade, desde que atendam às especificidades da produção de conhecimento das unidades do CCJE. Além de, especificamente, aumentar a articulação, como estabelecido no item 1C) De articulação com as DRI UFRJ, CRI do CCJE para realização das atividades, com objetivo de cooperar com internacionalização das ações da universidade por meio da divulgação internacional das atividades culturais.

O Orfeão da Universidade do Porto passou lembrando aos estudantes, professores e técnicos do IPPUR, da Faculdade de Letras, das unidades condôminas do Palácio Universitário e da Faculdade Nacional de Direito que o canto coral é uma manifestação artística e de difusão de cultura importante. Confirmando, assim, que os cantos cantados aqui e lá podem estimular a internacionalização das atividades culturais comuns aos ambientes universitários.

Em breve, novas atividades do projeto Das Ibéricas – Crônicas Peninsulares voltarão a percorrer as unidades do CCJE instaladas em espaços intercampi da UFRJ. Aguardem!

porThaís Andrade

4º Parangolé da Cultura na Universidade

Na próxima terça-feira-feira, com apoio do Fórum de Ciência e Cultura da UFRJ, realizaremos o 4º Parangolé de Cultura na Universidade com o tema COMPOSIÇÃO DE CURRÍCULOS E ATIVIDADES CULTURAIS NA UNIVERSIDADE.

Nossos Parangolés vem acontecendo desde o início do ano com o objetivo de causar reflexão sobre a importância das ações culturais na qualificação de nossas práticas de ensino e pesquisa e difusão do conhecimento. O formato das rodas de conversa é aberto à participação de todos presentes, possibilitando o diálogo entre a comunidade e os debatedores

Nessa edição, contaremos com a participarão do Professor Ricardo Takahashi do Departamento de Matemática do ICEX e ex Pró-reitor de graduação da UFMG; de Deneir Martins, brincante e pesquisador popular da cidade do Rio de Janeiro; de Hélios Malebranche, coordenador de graduação do CCJE; de Alexia Goulart do Coletivo Negro Claudia Silva Ferreira; de Bárbara Melo do Coletivo de Mulheres Marielle Franco e de Gustavo Peroba, integrante da Pasta LGBT do Centro Acadêmico de Administração (CADM).

Toda a comunidade é bem vinda para construir esse evento!

porThaís Andrade

Comunicado Seleção de Bolsistas

A Decania do CCJE, devido aos ajustes e cortes implementados pela Reitoria e ao não repasse da segunda parcela do orçamento participativo, suspende o Edital 568/19, até segunda ordem.

porThaís Andrade

Seleção de Bolsista

A Decania do CCJE torna público o Edital 568/19, publicado na quarta parte do BUFRJ 34/2019, extraordinário, de 28 de agosto deste ano. O edital, de caráter universal, oferece uma vaga para bolsa em desenvolvimento acadêmico, no interesse de garantir integração entre atividades de desenvolvimento institucional realizadas pelo CCJE e o corpo discente da UFRJ.

Serão atividades desenvolvidas pelo bolsista a colaboração na gestão e organização do arquivo da Faculdade de Administração e Ciências Contábeis (FACC), no campus Praia Vermelha, bem como o apoio na organização do protocolo da FACC, também no campus Praia Vermelha.

O edital tem período de inscrição enxuto, de 30 de agosto a 03 de setembro, diretamente no protocolo da Decania do CCJE. Por isso mesmo, espera-se que todos os setores da UFRJ se empenhem em fazer chegar a informação ao maior número de estudantes, que, por ventura, possa se interessar em alargar seus repertórios disciplinares e sua convivência institucional.

Acesse mais informações em: Edital 568/19 – Bolsa em desenvolvimento acadêmico CCJE.

 

 

porThaís Andrade

Aconteceu o terceiro Parangolé…

No último dia 21, realizou-se o terceiro Parangolé de Cultura na Universidade organizado pelo CCJE, tematizando o diálogo entre saberes na UFRJ. Dando continuidade à proposta do projeto, o evento expressou a transdisciplinaridade e a difusão de conhecimentos produzidos intramuros universitários em forma de projetos de inserção cultural.

Os convidados presentes apresentaram os projetos dos quais participam, relatando os processos de construção e a estruturação dos mesmos, assim como o histórico de interação desses com a comunidade.

A roda aconteceu no Salão Moniz Aragão, no segundo andar do Palácio Universitário da Praia Vermelha. Fotografia: Bira Soares

Foram apresentados alguns trabalhos, tais como a Cia Folclórica, um dos mais antigos grupos artísticos de dança da UFRJ, coordenado por Eleonora Gabriel e formado por professores, alunos e funcionários de diferentes unidades de nossa instituição; o NIDES (Núcleo Interdisciplinar para o Desenvolvimento Social), órgão suplementar da universidade, como descrito por um de seus criadores, o Decano do CT Walter Suemitsu, ficou claro que o núcleo atua principalmente na pós-graduação e envolve número significativo de estudantes, técnicos e professores no exercício da interdisciplinaridade no tripé acadêmico com o objetivo de fomentar o desenvolvimento social; A Professora Carmen Teresa Gabriel, da Faculdade de Educação, descreve o Complexo de Formação de Professores como política articuladora de professores de educação básica que, por sua vez, conta com parcerias da rede pública de ensino e com a participação de alunos, professores e outros profissionais da área da educação; e a Professora Katia Gorini apresentou suas experiências como pesquisadora e considerou a importância da convivência com mestres ceramistas de diversas regiões do país.

 

No decorrer do evento, a roda de conversa se abriu para mais considerações para além das já pontuadas pelos convidados e desenvolveu um debate com os outros presentes acerca da importância da presença de atividades culturais que visam o desenvolvimento social dentro da universidade. A apresentação e discussão da manifestação desses projetos constituídos por conhecimentos interdisciplinares mostrou a capacidade incubatória da universidade de criar, desenvolver e alavancar novos projetos.

porThaís Andrade

Terceiro Parangolé da Cultura na Universidade

Acontecerá o terceiro Parangolé da Cultura na Universidade, dia 21 de agosto, às 10 horas, no Salão Moniz Aragão, Palácio Universitário. O Parangolé vem acontecendo desde o início do ano, com objetivo de refletir sobre a importância das ações culturais na qualificação de nossas práticas de ensino e pesquisa e difusão do conhecimento.

Os colóquios representam a tentativa do CCJE de refletir sobre o papel e a importância da cultura, além de considerar e dimensionar as vinculações estabelecidas com o tripé – ensino, pesquisa e extensão – que orienta o processo acadêmico nas instituições de ensino superior do país. Vinculações com laços e redes bem diversas que suscitam o cotejamento das noções que diferenciam as políticas de ação cultural em cada instituição. Por isso cada colóquio buscará aprofundar em tema importante desta área.

Nesse sentido, o terceiro Parangolé da Cultura na Universidade colocará em sua roda de conversa algumas ações de promoções de inclusão de epistemologias não hegemônicas nos espaços universitários no processo de composição dos conhecimentos, observando os diálogos entre saberes. Participarão o Professor José Ribamar Bessa, do Pró-Índio da UERJ; Professora Eleonora Gabriel, Coordenadora da Cia Folclórica, da Escola de Educação Física e Dança e do Encontro com o Mestres Populares, do CCS/UFRJ; a Professora Katia Gorini pensando a criação do Departamento Artes em Escultura, na EBA/CLA/UFRJ; o Professor Walter Suemitsu, e atuante no projeto NIDES – Núcleo Interdisciplinar de Desenvolvimento Social de Pós-Graduação e Decano do CT/UFRJ; e da Professora Carmen Teresa Gabriel, Coordenadora do Comitê Permanente do Complexo de Formação de Professora e Diretora da Faculdade de Educação – CFCH/UFRJ.

A iniciativa assume o esforço de escuta, visando a ampliar a visão das ações de diálogo entre saberes existentes em Instituições de Ensino Superior e observar confluências. O Centro de Ciências Jurídicas e Econômicas conta com a sua participação para manutenção da abrangência dessa edição do Parangolé.

Como o colóquio será em formato de roda de conversa, todos os participantes poderão apresentar as suas considerações em diálogo direto com os debatedores.

Dia: 21 de agosto de 2019

Horário: 10 horas

Local: Salão Moniz Aragão

Endereço: Campus da Praia Vermelha da UFRJ – Avenida Pasteur, 250, Palácio Universitário – Praia Vermelha

Mais informações:

Site do CCJE UFRJ

ou e-mail atividadecultural@ccje.ufrj.br