porLeticia Abreu

Aconteceu no VI Parangolé da Cultura

Mais uma edição do Parangolé da Cultura na Universidade aconteceu no último dia 26. Dessa vez, o foco foi a Persistência das Atividades Culturais na Pesquisa e na Pós-Graduação e nossos convidados foram Caio Meira, Assessor da Presidência da FAPERJ; Adriana Schneider, Superintendente de Difusão Cultural do Fórum de Ciência e Cultura; André Bufoni, Coordenador de Pós-Graduação do CCJE; Orlando Santos Jr, Diretor do IPPUR; Martha Castilho, Diretora Adjunta de Pós-Graduação do IE e Letícia Casotti, Coordenadora de Centro de Estudos em Consumo do COPPEAD.

Orlando Santos Jr, Diretor do IPPUR | Foto: Bira Soares

Para esses professores, a atividade cultural na pós-graduação não é só uma questão de fruição, é também uma ação de manutenção de saúde dos estudantes. No caso da pesquisa, as atividades culturais atuam na alteração dos significados não só dos pesquisadores – como, se haver divulgação científica do que foi produzido, altera também os da sociedade de modo geral. Foi lembrado pelo representante da FAPERJ que as áreas de ciências humanas, sociais e artes solicita pouco a composição de editais específicos, o que é hábito comum para as áreas de saúde e tecnologia.

As atividades culturais também redimensionam a perspectiva do uso dos espaços na universidade. É preciso valorizar o uso dos espaços construídos para esse fim, como reconhecer que os corredores, escadas e elevadores são também lugares potentes para a manifestação e difusão das artes.

Martha Castilho, Diretora Adjunta de Pós-Graduação do IE |Foto: Bira Soares

As atividades culturais – não só atividades artísticas ou recreativas – vão um pouco mais além do que essa circunscrição, que tem reconhecimento comum. Assim, para as atividades culturais importa a mudança de significado e a alteração da frequência dos repertórios. É, dessa forma, ação como contraparte da extensão, bem como da graduação e da pós-graduação. Os seus métodos de abordagens, os estabelecimentos de planos e de ações, público-alvo, contudo, são sempre mais próximos dos mesmos indicadores da extensão. Isso talvez se deva ao fato de que um dos elementos da extensão é também a comunicação de conhecimento. E, portanto, de alteração de significado.

Como os assuntos dessa importância não se esgotam com uma rodada de conversa. Se afirmou a necessidade de manutenção das conexões e diálogos a esse respeito.

porLeticia Abreu

VI Parangolé da Cultura na Universidade

O último Parangolé do ano, com o tema A Persistência das Atividades Culturais na Pesquisa e na Pós-Graduação da Universidade, está para acontecer no dia 26 de Novembro, às 15 horas, no salão Moniz Aragão, dentro do Palácio Universitário do Campus Praia Vermelha.

Os colóquios vem acontecendo desde o início do ano, representando uma tentativa do CCJE de de refletir sobre a importância das ações culturais na qualificação de nossas práticas de ensino, pesquisa e difusão de conhecimento. Nesta sexta edição, será tematizada a persistência das ações culturais na pesquisa e na pós-graduação na Universidade. Isso porque, talvez ainda pese uma visão de que as atividades culturais lidam exclusivamente com atividades artísticas. Se assim fosse, elas estariam também incluídas nas pesquisas e pós-graduações dos cursos de Artes e Ciências Humanas, o que já justificaria o debate. A perspectiva pela qual olhamos as atividades culturais na universidade é a de mudança, alteração ou manutenção dos signos e, portanto, dos conceitos, das categorizações e até dos arranjos metodológicos, o que envolve ao menos as ciências sociais aplicadas nessa conversa.

Colaboram para melhor circunscrição do tema no colóquio os professores: Caio Meira, Assessor da Presidência da FAPERJ; Adriana Schneider, Superintendente de Difusão Cultural do Fórum de Ciência e Cultura; André Bufoni, Coordenador de Pós-Graduação do CCJE; Orlando Santos Jr, Diretor do IPPUR; Martha Castilho, Diretora Adjunta de Pós-Graduação do IE e Letícia Casotti, Coordenadora de Centro de Estudos em Consumo do COPPEAD.

Como os colóquios acontecem em formato de roda de conversa, todos os participantes são bem-vindos a participar e apresentar suas considerações em diálogo direto com os professores.


Dia: 26 de Novembro de 2019
Horário: 15 horas
Local: Salão Moniz de Aragão – Fórum
Endereço: Campus da Praia Vermelha – Avenida Pasteur, 250 – Botafogo

Para mais informações, acesse nosso evento no facebook ou contate-nos através do e-mail atividadecultural@ccje.ufrj.br

porLeticia Abreu

Como foi nosso 5º Parangolé da Cultura na Universidade

Mais uma edição do Parangolé da Cultura na Universidade aconteceu no último dia 29.

Quinto Parangolé da Cultura realizado pelo CCJE no Salão Moniz de Aragão no dia 29 de Outubro. Foto de Eneraldo Carneiro.

Dessa vez, o foco foi nos encontros e diferenças entre extensão e atividades culturais e nossos convidados foram Ivana Bentes, Pró-reitora de Extensão da UFRJ; Maria Dias, produtora cultural da UFRJ; Sandra Becker, coordenadora de extensão do CCJE; Professor Felipe Addor, Diretor do NIDES – CT; Pedro Bicalho, coordenador de extensão do CFCH; Maria Clara Martins, coordenadora de extensão do CLA; Silvia Lorenz Martins, coordenadora de extensão do CCMN e Aline Posch representando o CCS. Ao final da conversa houve apresentação do Grupo Moitará.

A universidade, de modo geral, ainda considera de forma diferente as bases da produção de conhecimento na universidade ou o tripé acadêmico, composto pela extensão – ensino – pesquisa. A extensão é um “pé” ainda novo dentro da UFRJ, ela contribui para que estudantes observem o impacto social de algumas ações universitárias e promove conexão interdisciplinar, além de ser um espaço de troca. Um bom exemplo dessa troca é a SIAC. Dessa forma, a extensão é, também, uma via de mão dupla que se adapta, cria e transforma espaços, tanto levando conhecimento da universidade para a cidade, quanto trazendo de volta através de seus envolvidos.

29/10/2019. Encenação de Érica Rettl, do Grupo Moitará. Foto de Eneraldo Carneiro. Foto de Eneraldo Carneiro.

A extensão se apresenta de maneiras diferentes dentro da nossa universidade, instituindo uma outra cultura de relação, esse hábito de fazer extensão precisa ser melhor difundido. Dentre os tópicos levantados durante o debate, os mais significativos se reúnem apontando a falta de articulação entre a política cultural e a extensão na UFRJ. Com 192 ações de cultura – dentre elas cineclubes, exposições, performances, contações de histórias, peças de teatro, espetáculos de dança, concertos e seminários -, a Pró-Reitoria de extensão tem um vínculo forte com as atividades culturais praticadas na UFRJ. No entanto, a dificuldade de divulgação, engajamento, articulação e compartilhamento entre centros diminui o diálogo e a integração com a cidade.

As atividades culturais, não só atividades artísticas ou recreativas, vão um pouco mais além do que essa circunscrição, que tem reconhecimento comum. Assim, para as atividades culturais, importa a mudança de significado e a alteração da frequência dos repertórios. É, dessa forma, ação de atuar, como contraparte da extensão, bem como da graduação e da pós-graduação. Os seus métodos de abordagens, os estabelecimentos de planos e de ações e a definição do público-alvo, contudo, são sempre mais próximos dos mesmos indicadores da extensão. Isso talvez se deva ao fato de que um dos elementos da extensão é também a comunicação do conhecimento. E, portanto, de alteração de significado.

A criação de mecanismos que otimizem o acontecimento das ações da extensão e das atividades culturais, tais como uma plataforma de divulgação de eventos intra e extra-muros universitários – uso mais engajado da Rádio, considerando o grande potencial do canal de divulgação da UFRJ – e o mapeamento e levantamento das atividades e equipamentos culturais na universidade, foi a principal sugestão de desenvolvimento de integração e engajamento da cultura com a extensão na UFRJ.

29/10/2019. Venício Fonseca, do Grupo Moitará, apresentando os tipos de máscaras teatrais. Foto de Eneraldo Carneiro.

Como os assuntos dessa importância não se esgotam com uma única roda de conversa. Se afirmou a necessidade de manutenção das conexões e diálogos a esse respeito.

Ao final, o Grupo Moitará apresentou uma cena-poema, compartilhando um pouco sobre a linguagem da Máscara no teatro, técnica ainda recente no Brasil. Resultado de um processo de pesquisa, confecção e desenvolvimento de pensamentos e técnicas, a máscara faz com que o ator encontre a palavra no corpo, em partes que nunca falaram, para atuar. Isso ficou evidente na explanação do Venício Fonseca e na encenação da Érica Rettl.

porLeticia Abreu

V Parangolé da Cultura na Universidade

No dia 29 de outubro, às 15 horas, no salão Moniz Aragão, dentro do Palácio Universitário do Campus Praia Vermelha acontecerá a quinta edição do Parangolé da Cultura na Universidade, com o tema Encontros e Diferenças entre a Extensão e as Atividades Culturais.

Os colóquios representam a tentativa do CCJE de refletir sobre o papel e a importância da cultura, além de considerar e dimensionar as vinculações estabelecidas com o tripé – ensino, pesquisa e extensão – que orienta o processo acadêmico nas instituições de ensino superior do país. Vinculações com laços e redes bem diversas que suscitam o cotejamento das noções que diferenciam as políticas de ação cultural em cada instituição. Por isso, cada colóquio buscará aprofundar um tema importante desta área.

Nesse sentido, neste próximo Parangolé, contaremos com a presença da Pró-Reitora de Extensão da UFRJ, Professora Ivana Bentes; da Diretora de Produção Cultural da UFRJ por mais de 30 anos, Maria Dias; da Professora Sandra Becker, Coordenadora de Extensão do CCJE; do Porfessor Pedro Bicalho, Coordenador de Extensão do CFCH; do Professor Felipe Addor, Coordenador do NIDES – CT; da Professora Silvia Lorez Martins, Coordenadora de Extensão do CCMN; e da Professora Maria Clara Amado Martins Coordenadora de Extensão do CLA. E, por fim, junto no mesmo evento, o Grupo de Teatro Moitará apresentará uma cena-poema com a atriz Erika Rettl e o diretor teatral Venício Fonseca.

As ações em extensão nas universidades estão em campo muito similar ao das atividades culturais. Às vezes, se aproximam a ponto de se confundirem; em outras, se deslindam cada um em seu papel. Reconhecer esses passos de danças entre essas ações universitárias é considerar os tecidos comunicativos das universidades e, em particular, da UFRJ, buscando ajustar uma e outra à necessidade de produção de conhecimentos por todos os locais.

Como o colóquio será em formato de roda de conversa, todos os participantes poderão apresentar as suas considerações em diálogo direto com os debatedores.

Dia: 29 de outubro de 2019
Horário: 15 horas
Local: Salão Moniz de Aragão
Endereço: Campus da Praia Vermelha – Avenida Pasteur, 250 – Botafogo

Confiram o evento no facebook!
Para mais informações, contate-nos através do e-mail atividadecultural@ccje.ufrj.br

porLeticia Abreu

INSCRIÇÕES PRORROGADAS – I Festival da Canção Universitária do CCJE

 

Sejam bem-vindos ao I Festival da Canção Universitária do CCJE UFRJ!

Artistas e arteiros, reconhecendo o papel fundamental da arte e da cultura na Universidade, a Coordenação de Atividades Culturais do CCJE UFRJ convida a todas e a todos para seu primeiro Festival da Canção. Um festival competitivo, onde o corpo social da Universidade pode inscrever canções autorais. Assim, disseminando a arte, estabelecendo pertencimento do corpo social à Universidade e proporcionando diálogos e permutas!

COMO FUNCIONA

Qualquer aluno, técnico ou docente da Universidade, pode se inscrever pelo link veiculado para disputar a primeira fase do Festival. As inscrições vão até o dia 14 de Novembro via formulário. A primeira fase tem caráter eliminatório: os áudios nela submetidos passarão por votação popular online, também pelo corpo social da UFRJ. Serão qualificados para a segunda fase as 10 canções mais votadas, que se apresentarão dia 28 de Novembro no Campus da Praia Vermelha.

Estes irão competir em duas categorias, de melhor música e de melhor intérprete, para uma banca de jurados qualificada, que avaliará os competidores e chegará a um resultado de 3 vencedores em cada categoria.

A premiação consiste da gravação de 5 faixas para os primeiros em cada categoria, e de 1 faixa para os segundos e terceiros colocados em cada categoria.

QUANDO E ONDE

Inscrições de 10 de Outubro até 14 de Novembro
Votação Popular de 15 a 21 de Novembro
Realização do Festival dia 28 de Novembro no Campus Praia Vermelha

E-mail para contato: atividadecultural@ccje.ufrj.br

Compartilhem e participem!

porLeticia Abreu

Coral do CCJE – INSCRIÇÕES ENCERRADAS

É com muito prazer que anunciamos o lançamento do Coral do CCJE! Elaborado com o objetivo de construção de espaços de trocas culturais no âmbito da música se manifestando como atividade extra-curricular na UFRJ, o coral contará com a participação do corpo social da Universidade, constituído por discentes, docentes e técnicos, gerando um novo ambiente de ressignificação da rotina e proporcionando trocas interpessoais entre esses três grupos. Além disso, o coro focará na inclusão daqueles que venham a se interessar mesmo sem possuírem domínio de técnica vocal ou conhecimento teórico musical. O repertório repleto de MPB pretende enfatizar a importância da experiência cultural brasileira, assim como estimular a consciência e crítica a essa realidade.

Os ensaios serão ministrados por Guilherme Imia, estudante de Licenciatura em Música na UNIRIO. Aos 15 anos iniciou a sua caminhada no meio coral integrando o Coral BomTempo com regência de Paulo Malaguti Pauleira, uma das maiores referências da música vocal brasileira. Desde então, deslanchou a integrar grupos vocais no Rio de Janeiro. Hoje, com 22 anos, faz parte dos grupos Zanzibar, Consoantes e Subversos, onde também desenvolve uma profunda pesquisa de percussão corporal. É fundador da banda Peruá, onde atua como multi-instrumentista e educador. Trabalha como professor de música no Centro de Educação Infantil Tabladinho e também como assistente de direção e violonista do Coral Diversus em parceria com Cris Delanno. Ainda na área do canto coral, foi monitor do Coro Cênico Cesgranrio por 2 anos.

Os ensaios acontecerão às segundas-feiras de 19:30 às 22h no campus da Praia Vermelha (em sala a ser confirmada) a partir do dia 14 de Outubro. O limite de inscritos é de 40 pessoas.

Se interessou e quer participar? Preencha o formulário para se inscrever!

Ficou com alguma dúvida? Envia um e-mail para a gente no atividadecultural@ccje.ufrj.br